terça-feira, 11 de outubro de 2011

Compilações de mais um blog

Domingo, 15 de Fevereiro de 2009
..::Too Much Of Not Enough::..
Sei que não vai adiantar eu pedir um milhão de desculpas pelo sumiço, então vou pular esta parte.
Não sei exatamente porque voltei, talvez porque eu detesto blogs abandonados e sempre disse que se um dia eu resolver parar de postar, eu aviso antes.

Eu sei que muita gente ainda tem aquela imagem sombria de mim, pessoas que imaginam que eu sempre tive um peso na faixa dos 40kg e que me alimento de ar e alface, mas não é nada disso. Há muito tempo deixei de buscar uma meta torturante de magreza suprema, embora já tenha chegado muitíssimo perto do que eu queria (vale lembrar que atualmente estou há anos-luz de distância do meu antigo "sonho" e que estou hoje com um peso acima do considerado saudável. Mas estou mais preocupada com outras coisas no momento) . Lembro com nostalgia daqueles tempos, parte de mim quer muito³ voltar a ser aquele rascunho que eu era, mas outra parte mais forte teima em não cometer os mesmos pecados, dietas que desde o começo estiveram fadadas a um doloroso fracasso, seguidas por crises de histeria e infinitos recomeços. É mais fácil ceder, é mais fácil deixar de comer, é mais fácil vomitar até sair fios de sangue, mas não é o melhor, definitivamente.

Não que eu seja uma bulímica ressucitada e arrependida, porque eu não poderia renascer das cinzas depois da merda que eu fiz da minha vida, com meu corpo e com minha saúde, um resfriado me deixa de cama. Quanto ao psicológico e minha autopercepção, há ainda uma gigantesca ferida, ainda não posso encarar o espelho sem sentir imenso asco pela imagem refletida. Eu diria que ainda apresento uma série de comportamentos e pensamentos característicos de ana/mia, que variam de acordo com certas circunstâncias, um padrão que se repete em escalas maiores ou menores. Mas nada que se compare ao que já passei: dias em jejum acompanhados de fome lacerante, cujo resultado catastrófico é sempre uma compulsão + purgação + desesperto + culpa. Porém, minha alimentação ainda precisa melhorar muito, mas falo da qualidade, e pasmem!, não da quantidade. Como cerca de 1500cal por dia, mas vivo beslicando e por causa disso não emagreço um único grama e as malditas gorduras ainda sobrevivem. Mas este é assunto para outro post.

Estive conversando esses dias com uma amiga sobre como anorexia e bulimia são esconderijos perfeitos para um problema de maior gravidade. São muitas as carências, são muitos os transtornos e uma desordem alimentar preenche de maneira espetacular esse grande vazio que se sente. Porque uma anoréxica é anoréxica de tudo: de comida, de amigos, de família, de motivações, de vida, de alegria. E ao negar sua fome por comida, nega-se tudo. Toda a dor, todo o sofrimento que sua enfermidade e sua própria existência lhe causam. Pode parecer sem sentido, mas uma pessoa totalmente abatida em sua vida, pode ver a perda de peso e o vômito como uma uma válvula de escape e se tem a ilusão de que o controle do corpo é o controle de sua vida, em todos os aspectos. Evidente que cada caso é um caso, mas é possível estabelecer alguns padrões de evidências da chegada sorrateira e silenciosa da anorexia e da bulimia, além de que o conjunto de sintomas é basicamente o mesmo. No meu caso, acredito que a transição da vida de adolescente de Ensino Médio para a vida cheia de responsabilidades e cobranças de uma "mulher" adulta tenha contribuído significativamente para isso. E uma muralha ergueu-se separando minha vida, meu mundo e minha pessoa em dois. Um lado de extrema disciplina e controle rígido, outro de impulsividade e histeria. A perfeição e o caos. O equilíbrio e a insconstância. O jejum e fome sem limites. A glória e a culpa descabida. De um lado, a imagem de "certinha", a dedicação, exemplo a ser seguido, a simpaticíssima e a amada. Do outro, a rebeldia, o desleixo, as lágrimas e o grito, a ansiedade que me enlouquece, a angústia, o desespero e o isolamento. Tudo isso focando em objetivos traiçoeiros. Não é mais como antes, mas ainda há vários resquícios do que se passou. Até quando?? Não sei.

Penso em meu futuro e só vejo um imenso ponto de interrogação.
Postado por Ana Paula às 12:02 AM 18 comentários Links para esta postagem
Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008
..::Mais 365 Dias::..
Pouco mais de 24horas para acabar. Falta muito pouco. Está mais perto que longe. Não tenho como evitar o pensamento: um ciclo termina, apesar de eu saber que é só mais um dia após o outro. Portanto, apenas continuo, porque a minha caminhada é longa, muito longa. 2008 foi um ano de merda. Tenho coisas realmente muito boas para lembrar, e outras terríveis que tenho certeza de que vou esquecer. Comigo quero carregar só o que é bom. Só não sei quanto tempo vou levar para esquecer, rezo para que seja em breve.
Esse ano perdi muito mais do que ganhei. Fui muito magoada, coisas ruins aconteceram. Uma pessoa me fez mal, muito mal. Amaldiçoei mais de cem vezes aquele dia em que a conheci. Que desapareça junto com sua falsidade, pra mim não passa de um verme, só merece desprezo. Outra fez uma brincadeira cretina e covarde com a Andie, que por tabela fui igualmente vítima. Não creio que essa pessoa voltará aqui pra ler isso, de qualquer maneira quero deixar registrado que sinceramente não tenho mágoa de vc e que a desculpo, mas isso não anula o fato de vc ser uma coitada filha da puta. Não sei se o que vc fez tem nome, mas vc tem um grave problema de personalidade. Mas pra mim não faz mais diferença.

2008 foi o ano que meu pai saiu de casa e que eu larguei a faculdade. Mas não vou mais falar disso, nem aqui, nem em lugar nenhum.

Algum lembra da campanha de fazer 100 dias de NF em 2008?? Fiz uns 20, acho. Comecei, sem exageros, mais de 50 dietas. Nenhuma teve continuidade e foi levada a sério, visto que estou mais gorda que em 2007. Achava que eu já tinha feito de tudo pra emagrecer, mas falta a Dieta da Beyonce, na verdade o NF mais escroto que já vi. Começo com a Rev dia 2, mas adaptada à nossa realidade. Posto mais detalhes depois. Já está tudo esquematizado hausdhausdhauhsd!!!

Só mais um aviso antes de encerrar: vou passar uns dias na cada da minha tia, não sei quando volto. Sinceramente, não queria voltar. Ficarei por lá o máximo de tempo possível. Já era pra eu ter ido, mas devido aos acontecimentos do Natal, esperei mais um pouco ate a poeira baixar aqui. Então meu acesso a blog, orkut e msn (principalmente) serão bastante limitados, mas vou à lan house com meu primo e tento dar notícias, ok?

No mais CUIDEM-SE.

Essa flor é uma Medinila (Medinilla magnifica). Na minha opinião, é uma das flores mais belas, mais perfeitas da natureza. Essa flor representa cada uma de vcs pra mim.

Feliz 2009!!
Postado por Ana Paula às 5:57 PM 32 comentários Links para esta postagem
Quinta-feira, 25 de Dezembro de 2008
..::Noite Infeliz::..
Antes de mais nada quero agradecer todas que têm me acompanhado aqui nesse blog. Foi bom mudar de ambiente, aquela mudança em julho me fez bem e algo me dizia que eu deveria mudar novamente. Como mudar de blog ia dar um trabalhão, mudei as cores dele. Também vou desbloquear o blog. Sei que tive motivos plausíveis para trancar, mas as coisas estão calmas na vida ".com.br", não me sinto mais tão ameaçada, portando, acho desnecessário continuar com o blog trancado. Porém, para evitar qualquer dor de cabeça, apaguei os posts anteriores.

Meu Natal foi uma grande merda, uma noite horrível. De início não ia ter nada de mais, só um jantar porque minha mãe adora essas comemorações. Mas aí meu pai resolveu chamar umas pessoas e minha mãe cozinhou pra um batalhão. Um monte de sobremesa, um monte de carne e o povo que veio ainda trouxe mais comida. Até me animei, estava de ótimo humor, disposta a me divertir e a ter uma noite agradável. Por volta de 11 horas da noite, já estavam todos bêbados. Uma brincadeira à toa culminou numa puta discussão. Sabe bêbado como é. E fizeram escândalo, uma baixaria digna. Nem vou entrar em detalhes, até a rua toda parou e se aproximou pra assistir o barraco na área VIP. Acabou que foi todo mundo embora antes da ceia e a comida lá... intacta. Minha mãe ficou chocada. Um dos parentes (o que tava mais bêbado) saiu daqui espumando de raiva, passou em casa e deixou a mulher e as crianças e foi pra outra festa, onde continuou bebendo. Deve ter bebido até não ter dado mais conta de levantar o copo.

Aí a gente acorda umas 6 da manhã com um telefonema da mãe do cara, avisando que ele sofreu um acidente de carro de madrugada e tava no hospital. Aí vcs imaginam o desespero aqui em casa. Minha mãe já tava achando que o cara tinha era morrido, mas não aconteceu nada de muito grave com ele não, mas o carro dele já era. Fico de boca aberta, pq ele é da polícia rodoviária, ele deve ver acidentes horríveis todos os dias por causa de bebida e ainda tem coragem de pegar em um volante depois de mamar a noite inteira.

O dia foi um inferno, meu pai ligando pra Deus e o mundo e azul de raiva por tudo. A minha mãe, coitada, chorou o dia todo, é a imagem da desilusão. Mas agora eles estão ok, o cara tb, está só em observação. E eu... bem, como podem imaginar, minhas únicas atividades de hj foram comer e vomitar. Eu comi 8 rabanadas. OITO. Incrível como um pedaço de pão velho, embebido em leite condensado, frito em óleo e coberto com açúcar exerce total fascinação sobre mim. Mas não foi só isso que comi. Eu nunca na vida estive tão gorda. Hoje de manhã me olhei no espelho e tive uma raiva tão grande, mas tão grande que a minha vontade era quebrá-lo. Mas o que ia adiantar? Eu soquei minha barriga, belisquei, chorei, me xinguei. Porque em todos esses anos de TAs, eu nunca estive tão asquerosa, nunca tive tanto nojo de mim e nunca me senti tão repulsiva. Hoje é até rindo que assumo que aquela imagem pavororosa e da qual eu tinha imenso asco era mesmo da minha cabeça, mas hoje me dói porque é a mais pura realidade. Tantos anos... tanto tempo, tantas oportunidades, estive tão perto, estive tão bem. Eu não aguento mais isso, mas eu sinto que não tenho alicerces para me sustentar fora de tudo isso. Porque eu não sei mais quem eu sou fora disso, fora desses muros através dos quais eu me isolei. É por isso que mesmo depois de tantas derrotas e tantas recaídas eu continuo dando murro na ponta dessa faca que tanto me destrói.

E enquanto eu tento dar um jeito nessa bagunça, continuo na vida".com.br", me isolando o máximo que posso da vida lá fora e lendo histórias e mais histórias de gente que passa o mesmo que eu pra ver se um dia eu me deparo com uma solução. Em breve completo 4 anos de blog, parece que minha vida se resume a algumas páginas na internet e vômitos online, a pergunta é: até quando estarei aqui? E o que será que me aguarda em 2009?

Só espero que seja um ano melhor para nós todas. Amo vcs, princesas. Se cuidem.
Postado por Ana Paula às 9:38 PM 17 comentários Links para esta postagem
Assinar: Postagens (Atom)

Nenhum comentário:

Postar um comentário